IFMT
início do conteúdo

Projetos de pesquisa: estudo e aprendizado na quarentena

Publicado por: Campus Várzea Grande / 27 de Agosto de 2020 às 18:00

A professora de química do IFMT Campus Várzea Grande, Kellyn Ferreira Antunes, tem desenvolvido várias pesquisas durante o isolamento social causado pela pandemia de Covid-19. Mesmo de casa, as bolsistas Maria Eduarda Marques Silva e Maria Fernanda Alves da Silva têm pesquisado sobre cosméticos e aromas. Além disso, junto à professora Isabela Codolo de Lucena e à bolsista Andressa Maria Rolim Dutra, elas vêm desenvolvendo e produzindo álcool em gel.

O Projeto de Pesquisa Química da Beleza tem como objetivo pesquisar cosméticos artesanais, funcionais e sustentáveis para aprender os conceitos químicos com a pesquisa e produção de materiais de higiene pessoal. Segundo o projeto, "a química faz parte do nosso dia a dia e estudar e pesquisar ativos cosméticos é uma oportunidade de atrelar o ensino de ciências ao bem estar que essas substâncias podem proporcionar".

Veja a demonstração da professora Kellyn sobre Hot Process e Cold Process, duas formas de produzir sabonetes (obs.: a bolsista produziu seus sabonetes com base glicerinada, um processo mais simples e que pode ser realizado sem EPIs e acompanhamento), além de uma rápida explicação sobre escalda-pés:

Para Maria Eduarda (estudante do 6º semestre de DCC) a produção de sabonete glicerinado é muito simples e terapêutica, "muito indicada para passar o tempo e distrair a mente nesta quarentena e pode ser feita por qualquer um". "Adorei ter essa experiência, adquirindo novos conhecimentos e aprendizados, pois não é qualquer instituição que nos dá a oportunidade de ter uma experiência científica durante o ensino médio", finalizou a estudante.

Aromas: a química das sensações é um projeto que busca pesquisar e extrair óleos essenciais de plantas para diversas aplicações, ajudando na contextualização e melhor aprendizagem de conceitos de química. Na metodologia, primeiro faz-se o levantamento bibliográfico de princípios ativos e suas características para escolha da melhor técnica de extração e, depois de extraído, utiliza-se esses óleos para produção de sabonetes, hidratantes, aromatizantes e outros produtos. Segundo a professora Kellyn, "não estamos fazendo a extração, devido o afastamento, mas estamos utilizando óleos essenciais prontos, que são comercializados; e estamos utilizando essências sintéticas, também, para a produção de aromatizantes de ambiente".

Segundo a bolsista Maria Fernanda, "neste momento estamos começando a produzir perfumes líquidos e sólidos, aromatizante de ambiente e aromatizante de carro [...], que precisaram passar pelo processo de maceração, que serve para que o perfume fique mais intenso". "Está sendo uma experiência única ter o contato tão de perto com esse mundo que eu nunca tinha visto!", afirmou a estudante. Veja mais de seu relato:

Conforme consta no projeto, "A separação de óleos essenciais é uma técnica que favorece o aprendizado em química, possibilita habilidades em procedimentos experimentais e, principalmente, incentiva a pesquisa, pois dependendo do óleo a ser extraído, o solvente a ser utilizado deve ser escolhido baseado em características e propriedades físico-químicas como: forças intermoleculares, densidade, polaridade, etc, e essas informações só estarão esclarecidas através de estudos das substâncias envolvidas nos materiais de análise". O instrumento mais utilizado para extração por solventes é o Extrator de Soxhlet:

Figura*
Aparelhagem de utilizada para o sistema de refluxo: (1) manta de aquecimento; (2)balão volumétrico; (3) aparelho extrator de Soxhlet; (4) condensador; (5) garras e mufas; (6)mangueira; (7) suporte metálico

Outro projeto coordenado pela professora Kellyn, junto à professora Isabela Codolo de Lucena, é Produção de Álcool em Gel com espessante alternativo, que tem como proposta encontrar materiais alternativos em substituição do carbopol (insumo responsável pela textura do gel mais utilizada), que sejam acessíveis e que tenham propriedades similares ao carbomero. Após a produção do gel, amostras serão analisadas, tanto análise das propriedades físico-químicas, quanto a análise da ação antisséptica (obs.: essa última etapa será feita após o retorno das atividades presenciais).

Segundo a bolsista Andressa Maria Rolim Dutra, o projeto teve início em maio: "estou desenvolvendo o álcool em gel e a gente teve um bom tempo fazendo pesquisa, adquirindo dados pra gente poder fazer a parte prática, que a gente já iniciou". Para ela, "está sendo muito legal e muito divertido", pois "é uma experiência nova e estou adquirindo vários conhecimentos que vou levar pra vida toda". Veja o relato completo de Andressa:

*Gomes, L. S.; Nascimento, V. Extração de Gorduras Totais de Chocolates por Soxhlet e Avaliação Qualitativa da Capacidade Antioxidante. Rev. Virtual Quim., 2019, 11 (4), 1239-1248. Data de publicação na Web: 19 de agosto de 2019, acesso em: http://static.sites.sbq.org.br/rvq.sbq.org.br/pdf/v11n4a13.pdf

início do rodapé

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso

Avenida Sen. Filinto Müller, 953 - Bairro: Quilombo - CEP: 78043-409

Telefone: (65) 3616-4100

Cuiabá/MT